Uma Cartografia sobre o Tosco: Micropolíticas no Consumo Digital da Gravadora Läjä Records

Ref: 978-65-250-1480-7

O tema da pesquisa que deu origem a este livro é as formas de comunicação e consumo empregadas por atores sociais do universo do punk independente brasileiro, principalmente no meio digital. O ator escolhido para análise é Fábio Mozine e sua gravadora Läjä Records, um absoluto sucesso dentro da sua subcultura, com posicionamentos políticos fortes e coesos e uma criatividade sem igual (afinal de contas, Mozine é pai do Crackinho).


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 19,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-250-1480-7


ISBN Digital: 978-65-250-1483-8


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 27/08/2021


Número de páginas: 117


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Luis Henrique Bottoni.

O tema da pesquisa que deu origem a este livro é as formas de comunicação e consumo empregadas por atores sociais do universo do punk independente brasileiro, principalmente no meio digital. O ator escolhido para análise é Fábio Mozine e sua gravadora Läjä Records, um absoluto sucesso dentro da sua subcultura, com posicionamentos políticos fortes e coesos e uma criatividade sem igual (afinal de contas, Mozine é pai do Crackinho).
A principal pergunta que esta pesquisa busca responder é: o consumo de produtos e as mensagens da subcultura punk, com marcadores ideológicos claros, podem apresentar novas formas de resistência ou são uma espécie de diluição?
Essa ambivalência torna a Läjä (como caso representativo) um objeto interessante para análise. A busca é por compreender como se articula uma ideia de resistência via discurso e estética no contexto digital de atores independentes. Minha hipótese é que as novas formas de consumo digital possuem poder de mobilização política, podendo ser vistas como práticas de resistência no contexto das micropolíticas do cotidiano. Ao final da pesquisa, concluo que o sucesso da gravadora está diretamente ligado aos seus posicionamentos toscos, alegres, combativos e colaborativos. Nomeei esse fenômeno como estética do tosco.