Uma Teoria sobre Tolerância

Ref: 978-65-250-1705-1

O livro Uma teoria sobre tolerância pretende lidar com as dificuldades conceituais e práticas da ideia de tolerância. Como um conceito que é construído a partir de fundamentos morais e políticos, a obra objetiva reestruturar o conceito de tolerância a partir da definição de subjetividade que ele endossa. Inspirando-se na estrutura da dialética hegeliana, o livro propõe que há três figuras pelas quais o conceito de tolerância se determina como percurso em movimento. A primeira figura, chamada de tolerância subjetiva, é baseada na subjetividade individualista e define a tolerância como o ato negativo de suportar algo que causa aversão.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 69,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 24,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-250-1705-1


ISBN Digital: 978-65-250-1699-3


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 13/10/2021


Número de páginas: 331


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Larissa Cristine Gondim Porto.

O livro Uma teoria sobre tolerância pretende lidar com as dificuldades conceituais e práticas da ideia de tolerância. Como um conceito que é construído a partir de fundamentos morais e políticos, a obra objetiva reestruturar o conceito de tolerância a partir da definição de subjetividade que ele endossa. Inspirando-se na estrutura da dialética hegeliana, o livro propõe que há três figuras pelas quais o conceito de tolerância se determina como percurso em movimento. A primeira figura, chamada de tolerância subjetiva, é baseada na subjetividade individualista e define a tolerância como o ato negativo de suportar algo que causa aversão. A segunda figura, chamada de tolerância intersubjetiva, toma a subjetividade como resultado de um processo de autoconsciência e reconhecimento, definindo a tolerância como um ato de restrição do desejo de si em face do desejo do outro. A terceira figura, chamada de tolerância objetiva, remete à subjetividade como resultado de um processo de formação política por meio da liberdade social e ética, e define a tolerância como o reconhecimento do lugar normativo público de costumes reproduzidos socialmente por relações institucionais não majoritárias, portanto têm a função de equilibrar os desejos da maioria em face dos desejos da minoria, em um cenário democrático. Por meio do movimento dialético entre essas três figuras, é possível observar como a tolerância lida com afetos políticos e, assim, suprassume-se em perspectivas mais gerais e inclusivas que a tornam uma parte intrínseca da formação da subjetividade moral e política contemporânea.