Boas Práticas na Formação Profissional em Educação Física

Ref: 978-65-250-1652-8

A presente obra tem como objetivo relatar práticas pedagógicas de professores e professoras que atuam com a formação profissional em Educação Física e que tiveram êxito na sua realização. Reúne, assim, mais do que textos, mas boas práticas e experiências docentes em sala de aula, calcadas na realidade de cada professor/professora e de cada aluno/aluna.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-1652-8


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 28/10/2021


Número de páginas: 179


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Raquel Stoilov Pereira.

2. Evando Carlos Moreira.

A presente obra tem como objetivo relatar práticas pedagógicas de professores e professoras que atuam com a formação profissional em Educação Física e que tiveram êxito na sua realização. Reúne, assim, mais do que textos, mas boas práticas e experiências docentes em sala de aula, calcadas na realidade de cada professor/professora e de cada aluno/aluna.

Reconhecemos que as experiências aqui relatadas são apenas uma parte do universo de possibilidades existentes e que, muitas vezes, a sala de aula no ensino superior não recebe o devido valor, seja nos estudos e pesquisas realizados na academia ou mesmo na publicização das experiências produzidas.

Assim, a presente obra tematiza a importância de boas práticas pedagógicas em “sala de aula”, que entendemos como o ponto de partida para uma formação de qualidade e que reverbere em boas práticas profissionais.

Nela, são relatadas e refletidas experiências sobre: a pedagogia de projetos na docência universitária; os esportes, os jogos e as brincadeiras em diferentes contextos formativos; o estágio e suas possibilidades de fala e escuta dos alunos/as-alunos/as e dos alunos/alunas em formação profissional; a integração dos estudantes a equipes multiprofissionais; a cinesiologia e o contexto prático de produção de maquetes; a deficiência, a recreação e o lazer como campos possíveis de intervenção profissional futura.

Esperamos que o leitor e a leitora acessem os relatos aqui apresentados, tendo em vista que eles são objetos de intenso debate, mas, acima de tudo, frutos de experiências calcadas na realidade diária do ensino superior, que deve, antes de qualquer outro objetivo, formar profissionais críticos, participativos e conscientes de seu dever profissional.