Personagem Capital: Lisboa por Eça de Queiroz

Ref: 978-65-250-1076-2

O livro Personagem capital: Lisboa por Eça de Queiroz foi escrito com base no fascínio exercido pela deferência do espaço citadino no universo romanesco queiroziano. Em suas narrativas, o escritor dirigiu seu olhar e sua atenção à capital portuguesa, que lhe serviu de campo e assunto para muitas obras e divagações. Na fruição da leitura e em companhia das personagens como Luísa, Conselheiro Acácio, Artur Corvelo e Genoveva, por entre ruas e esquinas, somos imersos em uma atmosfera cosmopolita, impregnada de urbanidade.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 123,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-1076-2


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 05/11/2021


Número de páginas: 349


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 21 cm


Comprimento: 27 cm


Altura: 2 cm


1. Claudia Barbieri.

O livro Personagem capital: Lisboa por Eça de Queiroz foi escrito com base no fascínio exercido pela deferência do espaço citadino no universo romanesco queiroziano. Em suas narrativas, o escritor dirigiu seu olhar e sua atenção à capital portuguesa, que lhe serviu de campo e assunto para muitas obras e divagações. Na fruição da leitura e em companhia das personagens como Luísa, Conselheiro Acácio, Artur Corvelo e Genoveva, por entre ruas e esquinas, somos imersos em uma atmosfera cosmopolita, impregnada de urbanidade.
Tendo como recorte três romances alinhados ao projeto literário das Cenas Portuguesas, escritos ao longo da década de 1870: A tragédia da Rua das Flores, A Capital! (começos duma carreira) e O primo Basílio, o livro desenvolve e explora as possibilidades interpretativas do espaço urbano presente no texto, relacionando os variados sítios e suas representações dentro de um contexto citadino e histórico.
Para tanto são evocados os ambientes em que se movem as personagens queirozianas: as ruas e os largos, as praças e os jardins, os cafés e os teatros, e tantos outros lugares expressivos, tão significativos dentro da arquitetura narrativa. Ao mesmo tempo, as referências feitas aos nomes de ruas e às especificações de endereços brincam, a todo instante, com os limites entre realidade e ficção. Tecer as relações entre a cidade oitocentista histórica, vivenciada e observada pelo romancista, e as “Lisboas literárias”, recriadas artisticamente por ele, é o objetivo mais caro deste volume. Conjugando palavra e imagem, documento e memória, o livro convida os admiradores de Eça de Queiroz a conhecerem a multifacetada personagem capital da sua obra: Lisboa.