Construindo Inimigos para a América do Sul: Os Discursos de Segurança no Conselho de Defesa da Unasu

Ref: 978-85-473-0969-5

O livro Construindo Inimigos para a América do Sul utiliza a teoria do discurso de Ernesto Laclau e Chantal Mouffe para que se compreenda o processo de formação de identidade em matéria de Defesa na América do Sul.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 57,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0969-5


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 249


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Marcos Cardoso dos Santos.

O livro Construindo Inimigos para a América do Sul utiliza a teoria do discurso de Ernesto Laclau e Chantal Mouffe para que se compreenda o processo de formação de identidade em matéria de Defesa na América do Sul. Há dois discursos que disputam a hegemonia no Conselho de Defesa Sul-Americano: o de interesse regional e o de segurança hemisférica. O primeiro ressalta a proteção dos recursos naturais estratégicos da região. O segundo revela a influência norte-americana em valorizar o tema “novas ameaças” nos assuntos referentes à Defesa.

Afastando-se das vertentes realistas de relações internacionais, o livro apresenta o pós-estruturalismo como abordagem capaz de explicar a dinâmica dos processos de securitização na América do Sul. O autor se contrapõe a abordagens tradicionais para análise de segurança regional, partindo do princípio de que toda possibilidade de percepção, pensamento e ação dependem da estruturação de um determinado campo significativo que preexiste a qualquer imediatismo factual.

Em um ambiente acadêmico no qual os assuntos de Defesa Nacional são vistos por uma epistemologia que valoriza a materialidade das ameaças e a capacidade relativa dos Estados, a inserção da teoria do discurso de Laclau e Mouffe surge como precursora de uma perspectiva que valoriza a investigação da linguagem na qual as elites políticas encontram-se ancoradas.

Dessa forma, Construindo Inimigos para a América do Sul manifesta o jogo político pelo estabelecimento de discursos hegemônicos que buscam dar forma a uma identidade regional em matéria de Defesa.