Corpo e Poesia: Para uma Educação do Sensível

Ref: 978-85-473-0627-4

A poesia não se faz sem o corpo que a gera e sem o corpo que nela encontra um alento ou um furor. Antes, durante e depois de ser palavra ela se alimenta e confunde-se com um estado do corpo do qual emergem recentes reconfigurações do mundo, modos de escrever o que já foi escrito, especulações e imaginários de um mundo porvir… intensidades existenciais. Ponho-me a pensar assim sobre a poesia ao reler o texto de Gilmar Leite Ferreira.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 21,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0627-4


ISBN Digital: 978-85-473-0627-4


Edição: 1


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 149


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Gilmar Leite Ferreira.

A poesia não se faz sem o corpo que a gera e sem o corpo que nela encontra um alento ou um furor. Antes, durante e depois de ser palavra ela se alimenta e confunde-se com um estado do corpo do qual emergem recentes reconfigurações do mundo, modos de escrever o que já foi escrito, especulações e imaginários de um mundo porvir… intensidades existenciais. Ponho-me a pensar assim sobre a poesia ao reler o texto de Gilmar Leite Ferreira. Ele nos toca em seu valoroso empreendimento de reconhecer a criação poética como ação sensível do corpo que gera e frui as palavras como um modo de educar. Ao discutir as relações entre corpo e poesia, o autor, poeta e professor nordestino, lança um olhar atento às suas próprias experiências, a partir das quais encontra cumplicidade nos modos de poetizar de outros artistas e de seus próprios alunos. Assim, a poesia reveste-se dos corpos e os corpos da poesia, não há como pensar as palavras sem esse duplo contágio, sem a impregnação estética das pessoas, dos lugares, das paisagens, das situações, daquilo que tem intensidade suficiente para se expressar nesse mundo já tão habitado. O reconhecimento desse trânsito existencial e estético é suficientemente potente para fazer pensar uma educação sensível que não se fixe no excesso de ordenamento e de modelos de produtividade. Convido você, provável leitor deste livro, a desbravar as páginas deste livro. Elas são dotadas da mesma vivacidade das palavras declamadas pelo autor em suas atuações performáticas, e trazem para a escrita acadêmica a maleabilidade do texto poético. Seja você um educador, um poeta, um interessado pelos estudos do corpo ou mesmo um leitor aventureiro, poderá encontrar nelas horizontes estéticos para pensar a educação.

 

Karenine de Oliveira Porpino