Discurso e Sujeito: Reflexões Teóricas e Dispositivos de Análise

Ref: 3755271

Os artigos aqui reunidos sob o título geral Discurso e sujeito: reflexões teóricas e dispositivos de análise giram em torno de três eixos centrais às discussões empreendidas pelos seus autores, quais sejam: o discurso visto como objeto histórico e em diferentes materialidades; o sujeito e as práticas discursivas de produção de identidades e de subjetivação; e a literatura, concebida como discurso, por meio do qual é possível analisar os efeitos de autoria e a escrita de si.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 54,00 R$ 32,40 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-64561-57-1


Edição: 1


Ano da edição: 2012


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 300


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Cleudemar Alves Fernandes.

Os artigos aqui reunidos sob o título geral Discurso e sujeito: reflexões teóricas e dispositivos de análise giram em torno de três eixos centrais às discussões empreendidas pelos seus autores, quais sejam: o discurso visto como objeto histórico e em diferentes materialidades; o sujeito e as práticas discursivas de produção de identidades e de subjetivação; e a literatura, concebida como discurso, por meio do qual é possível analisar os efeitos de autoria e a escrita de si.

Sobre o primeiro eixo, à concepção tão cara de discurso como algo da ordem da história e da língua, somam-se abordagens teóricas que consideram não somente o linguístico como parte integrante dos processos discursivos, mas também o nível imagético e sonoro. Nesse sentido, o caráter semiológico do enunciado, tal como podemos concluir do texto da arqueologia do saber, de Michel Foucault e as pesquisas empreendidas por Jean-Jacques Courtine, sobre o que vem se constituindo como uma Semiologia histórica, voltada à história do corpo e da fala pública, configuram, atualmente, importantes dispositivos teóricos e metodológicos, com os quais os pesquisadores podem descrever discursos, não perdendo de vista a dispersão enunciativa que lhes é própria e a heterogeneidade de linguagens por meio das quais eles se realizam como acontecimento singular e repetível.

No que concerne às pesquisas sobre a produção de subjetividade na relação com os jogos de saber/poder, os artigos que desenvolvem o segundo eixo central deste compêndio esforçam-se para compreender a produção do sujeito nos e pelos discursos, em um contexto marcado pela desestabilização das velhas identidades sólidas, que garantiam um conforto de pertencimento aos indivíduos. 

A liquidez das formações discursivas que se projetam sobre as imagens de identidade coletiva parecem produzir indivíduos cada vez mais desejosos de uma narrativa confortadora do eu. Essa narrativa, em textos midiáticos, por exemplo, constituem-se em poderosos dispositivos de subjetivação, que transformam os indivíduos em objeto e sujeito de um saber, por meio da regulação e do controle da vida. Ainda no que tange a esse eixo, considera-se também a possibilidade de o indivíduo se constituir como um sujeito cuidadoso de si, por meio de técnicas que, nos discursos, configuram uma arte de existência.

Para o desenvolvimento do terceiro eixo, o ser da literatura é visto sob o signo de Michel Foucault, que oferece aos autores condições para analisar o texto literário como um discurso, e, com isso, descrever seu funcionamento, alicerçados em noções, tais como enunciado, subjetividade, autoria e escrita de si. Cada um a seu modo, os artigos que constroem o itinerário linguagem, discurso e literatura apostam na experiência da literatura como um lugar de retorno do ser da linguagem na epistéme da modernidade. 

A designação dada a cada um dos três capítulos que compõem esta coletânea de texto tem por finalidade alinhavar as reflexões de cada um dos seus autores em torno dos três eixos expostos. Assim, o capítulo Discurso: elementos teóricos e métodos de análise reúne cinco artigos que refletem sobre a teoria do discurso e sobre as possibilidades de análise de materialidades discursivas diversas. O percurso que confere unidade a essas vozes é a necessidade de se pensar o método de análise, em face de objetos discursivos constituídos não só pelo linguístico, mas também pelo imagético e pelo sonoro.