Enunciação e Paráfrase: Gestos de Reformulação do Dizer

Ref: 4184785

Sob a perspectiva teórica da Linguística da Enunciação, analisamos a questão da subjetividade implicada à prática de paráfrase em contexto de vestibular. Especificamente, analisamos oito redações prod


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 56,00 R$ 33,60 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-097-9


Edição:


Ano da edição: 2013


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 259


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Hélder Sousa Santos.

Sob a perspectiva teórica da Linguística da Enunciação, analisamos a questão da subjetividade implicada à prática de paráfrase em contexto de vestibular. Especificamente, analisamos oito redações produzidas por vestibulandos. Nessas redações, o candidato deveria parafrasear enunciados do texto motivador (TM) que compõe a prova de redação de vestibular. Cumpre ressaltar que tais paráfrases ¿obedecem¿ a injunções que o manual do candidato procura explicitar ao vestibulando. Dissemos ¿obedecem¿ entre aspas, visto que nossa análise mostra que há efeitos de sentidos, (re)velando sentidos-outros, os quais são oriundos da tentativa do vestibulando de produzir um ¿mesmo sentido¿ para, dessa forma, cumprir a tarefa de produzir um texto em que haja paráfrase de formas linguísticas que compõem o TM. Esses sentidos-outros produzem uma tensão entre os sentidos aceitos pelos corretores, em sua leitura do TM, e os sentidos expurgados, não aceitos. Nessa tensão, a subjetividade implicada à prática de paráfrase se faz visível, o que torna relevante considerar a paráfrase um fato enunciativo, relativo à semântica do dizer, em detrimento da abordagem formal que o vestibular imputa à paráfrase. Para estudar a paráfrase sob uma perspectiva enunciativa, embasamo-nos em Authier-Revuz (2004), Benveniste (1988, 1989), Flores (1999, 2005), Fuchs (1982, 1985, 1994), Milner (1987, 2006), Saussure (2006), Tfouni (2008), entre outros. A partir do trabalho desses teóricos, compreendemos que a prática de paráfrase é oportunizada por um investimento imaginário de objetividade, próprio ao acontecimento vestibular. No que tange a esse investimento, em momento algum nos ocupamos em justificar o gesto parafrástico dos vestibulandos consoante o julgamento de dois corretores de redações de vestibular. Atentos ao que esses corretores nos trouxeram junto a tais redações (grifos, comentários de cada um), comparamos aquilo que um julgava ser paráfrase(s) de enunciados do TM da prova de redação de vestibular e aquilo que o outro, acerca disso, negava. Houve nessa comparação divergências manifestas na avaliação dos dois corretores. Porém, essas divergências não servem para dizer que são fruto de concepções diferentes que cada um deles traz acerca do que seja paráfrase. Tais divergências manifestas nas correções, com efeito, mostram-se resultantes de diferentes leituras realizadas, ou seja, são relativas ao(s) sentido(s) que cada um deles reconhece como sendo parte ou não do TM da prova de redação de vestibular. Dessa forma, por ser o texto, em uma perspectiva enunciativa, um objeto lacunar, que permite representar sentidos móveis, consideramos que a questão da paráfrase e de seu reconhecimento (ou não) aparece, em nosso trabalho, enquanto algo insolúvel, dado que estão subordinados a julgamentos de ordem subjetiva de avaliadores que possuem, por exemplo, histórias de leituras diferentes. Esse fator serve para corroborar o ponto de vista de que há incidências subjetivas envolvidas no reconhecimento (ou não) de gestos de paráfrase em redações de vestibular. Ademais, nosso trabalho discute a possível relação entre esses gestos de paráfrase e traços de autoria, como um trabalho (interpretativo) do scriptor sobre o TM e a posição enunciativa que (se) constrói ao (de)formar o TM, via leitura.